Servidores da ex-Sucam pedem criação de comissão para análise de plano de saúde

Os servidores mantêm um trabalho constante de conversas e apresentação de dados aos parlamentares

Os servidores da extinta Superintendência de Campanhas de Saúde Pública (Sucam), hoje Funasa, reivindicaram mais uma vez a criação de uma Comissão Especial no Congresso para analisar a PEC 101/19. A proposta de Emenda Constitucional prevê a concessão de plano de saúde aos servidores que foram expostos a substâncias nocivas à saúde.

Na jornada de lutas da semana passada, além do pedido de instalação da Comissão Especial, assinado por mais de cem parlamentares, também foi entregue ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP/AL), um estudo do impacto orçamentário da PEC 101. Em reuniões realizadas em abril e maio, Arthur Lira havia se comprometido em instalar a Comissão Especial.

A PEC 101/19, de autoria do deputado Mauro Nazif (PSB), foi aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC) no ano passado. Agora, a matéria encontra-se parada na Câmara e a ideia é que com a Comissão Especial ela passe a tramitar de forma mais rápida e ser aprovada.

 

Histórico

 

A proposta favorece os servidores admitidos até 31 de dezembro de 1988, que operacionalizaram ou tiveram contato com o DDT, BHC e outros inseticidas do grupo organoclorado, na execução de políticas de saúde pública para o combate e controle da malária, chagas e outras endemias. O contato com os inseticidas, que esses servidores tiveram até o início dos anos 90, acarretou sérios problemas de saúde para eles e seus familiares. As suas esposas, por exemplo, passaram anos manuseando roupas impregnadas de inseticidas.

O DDT, BHC e os outros inseticidas do grupo organoclorado eram utilizados para combater doenças causadas por mosquitos, como a malária, a leishmaniose e a febre amarela. Os agentes, guardas de endemias, motoristas e condutores de lanchas da Sucam faziam visitas regulares às residências da população das áreas de risco para pulverizar o interior das casas com a substância, sem material de proteção adequado.

Na época, o uso desses produtos era proibido em vários países. Os pesticidas acabaram banidos do Brasil depois da constatação do alto nível de toxicidade. O DDT deixou de ser usado no combate a endemias em 1998. A fabricação, a importação, a exportação, a manutenção em estoque, a comercialização e o uso dessa substância foram proibidos no Brasil pela Lei 11.936/09, no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. (Com agências) (Foto: Divulgação)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *