Seminário sobre violência contra as mulheres debate feminicídio e necessidade de fortalecer a luta

O Sintrasef foi convidado a participar do seminário “Violência contra as mulheres é violação dos direitos humanos”, organizado pelo Conselho Estadual dos Direitos da Mulher (CEDIM), com o apoio da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos (SEDSODH), na terça-feira (10/12), em que se comemora o Dia Internacional dos Direitos Humanos.  O evento aconteceu no Espaço Cultural CEDIM, no Centro do Rio de Janeiro, e reuniu participantes de diversos municípios.

O encontro teve como objetivo debater a violação dos direitos humanos das mulheres sob a ótica da interseccionalidade de classe, gênero e raça. Com o comando de Helena Piragibe, presidente do CEDIM, acontecerem mesas de conversa com representantes de várias instituições. Patrícia Xavier, Superintendente de Enfrentamento a Violência Contra Mulher; Enfermeira Rejane, Deputada Estadual e Presidente da Comissão de Direitos e Defesa da Mulher da ALERJ; Rebeca Servaes, Vice-Presidente da Comissão OAB Mulher; Adriana Mota, ativista feminina da Articulação de Mulheres Brasileiras e relatora da CPI do Feminicídio; e Flávia Nascimento, Coordenadora de Defesa dos Direitos da Mulher da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro, foram algumas das palestrantes que passaram pelo seminário.

Mesa de debate abordou temas como feminicídio (Foto: Nando Neves)

 

Em uma realidade em que o próprio governo ataca a minoria e parece incentivar uma sociedade cada vez mais machista, é extremamente necessária a discussão sobre violência contra mulheres. Segundo dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), no Brasil, a cada quatro minutos, uma mulher sofre agressão. Em 2018, foram registrados mais de 145 mil casos de violência em que as vítimas sobreviveram. É esperado que esses números aumentem no ano de 2019.

A luta pelos direitos femininos e pelo respeito aos direitos humanos é fundamental para a construção de uma comunidade mais igualitária.

Deixe uma resposta