Mata-mosquitos: assembleia nesta quarta-feira (3/7), às 10h, em Mangaratiba

O Sintrasef vem realizando assembleias em diversas bases do Ministério da Saúde. Após Santa Cruz, Campo Grande e Seropédica, chegou a vez de Mangaratiba

Após Santa Cruz, Campo Grande e Seropédica nas últimas semanas, o Sintrasef realiza nesta quarta-feira (3/7) assembleia do Ministério da Saúde em Mangaratiba. O encontro começa às 10h, no Centro de Combate à Endemias, que fica embaixo do viaduto de Itacuruçá.

A assembleia tratará dos processos jurídicos movidos pelo Sintrasef em defesa desses servidores, principalmente as ações pela utilização de Equipamento de Proteção Individual (EPI) e pela revisão dos valores do Pasep.

O Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) foi criado em 1970 e determinou que a União, os Estados e os Municípios deveriam realizar depósitos periódicos de um percentual de suas receitas na conta do programa para que o servidor público tivesse um bom valor acumulado quando se aposentasse. Os depósitos do Pasep eram feitos pela Administração Pública em uma conta individual gerenciada pelo Banco do Brasil. Após a Constituição Federal de 1988, os servidores cotistas do Pasep pararam de receber os repasses da União e houve um desfalque nas contas, pois o Banco do Brasil não preservou os valores acumulados. O banco utiliza os recursos do Pasep para realizar empréstimos a título de capital de giro, porém, não repassa o fruto e os rendimentos dessas aplicações para os verdadeiros donos dos créditos, os servidores.

 “Ano passado, o governo federal baixou um decreto onde todos receberam o Pasep, e o valor variou de R$500 a R$3.000. Esse dinheiro foi totalmente desvalorizado, porque teve troca de moedas e não foi atualizado; por isso o Sintrasef está entrando com essa ação individual, que o servidor vai primeiramente ao Banco do Brasil e pede um extrato analítico para poder ingressar no processo”, diz Eduardo de Carvalho, diretor do Sintrasef e servidor do Ministério da Saúde.

Deixe uma resposta