Dia de mobilização dos servidores tem atos nas ruas de todo o país por negociação já, reajuste salarial e respeito ao serviço público

Servidores públicos federais paralisaram as suas atividades e fizeram atos nesta quarta-feira (16/3) em diversas capitais e cidades do interior brasileiro e em Brasília, além de atuarem em suas redes sociais. Os atos integraram o Dia Nacional de Mobilização, Paralisação e Greve dos Serviços Públicos Federais.

No Rio, entidades e representantes de diversas categorias do funcionalismo participaram do ato unificado na Praça XV, no Centro. Durante toda a tarde os servidores conversaram com a população e lembraram que estão há mais de cinco anos sem reajuste salarial, incluindo o período crítico da pandemia de Covid-19, quando os servidores do Ministério da Saúde realizaram atos verdadeiramente heroicos país afora para proteger a população.

Em Brasília, os trabalhadores se reuniram no Espaço do Servidor e saíram em caminhada até o Ministério da Economia. Cerca de três mil representantes da categoria, de diversos estados brasileiros, estiveram presentes no maior ato da campanha salarial já realizado em 2022. Eles permaneceram na frente do Ministério até às 13 horas, mas não foram atendidos por representantes do governo. 

Desde os atos desta quarta-feira, o governo tem agora seis dias para atender às reivindicações dos servidores. Até o dia 23 de março, a Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef/Fenadsef) montará um acampamento na frente do Ministério da Economia, com uma tenda, caixa de som e servidores públicos que se revezarão dia após dia. Caso não haja negociação e fechamento de um acordo até o dia 23 de março, os trabalhadores poderão deflagrar uma greve geral por tempo indeterminado no serviço público. 

 

Pauta de reivindicações

 

Os servidores lutam contra o desmonte do serviço público que vem sendo promovido pelo governo Jair Bolsonaro, pela reposição inflacionária imediata de 19,99%, pela revogação da Emenda Constitucional 95, que congelou os investimentos públicos por 20 anos, e pelo arquivamento da proposta da reforma Administrativa (PEC-32).  

Os funcionários públicos têm até o dia 4 de abril para conquistar a reposição inflacionária. Se não houver correção neste momento, ela só poderá ser feita em 2024, devido a legislação aprovada no ano passado que proíbe a reavaliação de salários em anos de transição de mandatos de governadores e presidentes.

 

Inflação galopante

 

A grande maioria dos servidores está sem reajuste salarial há mais de cinco anos e a inflação descontrolada está corroendo o salário de todos, assim como de toda a população brasileira. Mas Bolsonaro não está governando para todos. O presidente demonstrou, várias vezes, que não respeita os servidores.

Bolsonaro finge que não vê os aumentos consecutivos e abusivos dos preços dos combustíveis e gás de cozinha. Cada aumento castiga a população brasileira pois influenciam a subida de preço dos alimentos, das tarifas públicas e de todos os produtos comercializados no país.

O governo alega que não existem recursos para a reposição dos servidores e reservou, na Lei Orçamentária de 2022, apenas R$ 1,7 bilhão. O aumento reservado apenas para servidores da área de segurança pública desagradou a todas as outras categorias do Executivo federal.

Enquanto isso, a Lei Orçamentária destinou R$ 37,6 bilhões para emendas parlamentares, dos quais R$ 16,5 bilhões estão no “orçamento secreto”. A Lei também reserva um valor de R$ 1,9 trilhão para o refinanciamento da dívida. Além disso, as contas públicas tiveram um superávit de R$ 64,7 bilhões em 2021. A arrecadação do Governo, em 2021, teve um aumento substancial em comparação com 2020. Houve um incremento de 17,3% na arrecadação de impostos, devido aos constantes reajustes dos combustíveis. Corrigido pela inflação, o valor representa R$ 1,971 trilhão. (Com agências)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *